sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Varejistas e consumidores, fiquem de olho! Lei das sacolas plásticas entra em vigor!

Mudança de hábito do consumidor é fundamental para o sucesso da lei prevê multa e até interdição de licença para varejistas que descumprirem a norma

A vida sem as sacolas plásticas

Na esteira de outros países, o Brasil começa a adotar em 2012 leis que restringem a distribuição de sacos plásticos. Foto: Paulo Pinto/AE


As principais redes supermercadistas de São Paulo anunciam, por meio de cartazes e panfletos, que está chegando ao fim a entrega “gratuita” das sacolinhas plásticas em suas lojas.  A campanha denominada “Vamos Tirar o Planeta do Sufoco” lançada pela APAS, a Associação Paulista de Supermercados, estipula a data de 25/01 para, conforme divulgado, “as sacolas descartáveis deverão ser substituídas por uma opção mais sustentável”. A mudança vai atingir os estabelecimentos associados em 150 cidades onde residem 80% da população do estado de São Paulo.
A campanha da APAS informa que apenas na capital são consumidas, mensalmente, 2,5 bilhões de sacolinhas descartáveis. Ainda para justificar a ação, enfatiza: “vamos começar desde já a cuidar do planeta e do futuro das próximas gerações. É um problema de todos nós e somente juntos podemos conquistar grandes vitórias”.
A iniciativa da entidade dos supermercadistas de São Paulo acabou, em parte, por substituir a lei sancionada em maio do ano passado pelo prefeito da capital Gilberto Kassab. Segundo a lei as sacolinhas plásticas deveriam ser banidas dos supermercados da cidade a partir de 1º de janeiro de 2012. A medida foi barrada por uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo suspendendo a entrada em vigor da lei.  Até segunda ordem, a liminar mantêm as sacolas descartáveis livres da extinção.

Fonte: Carta Capital

Um comentário:

  1. Quem escreveu esta matéria está MUITO desinformado.A começar pelo titulo, na qual menciona: "Lei entra em vigor".
    Primeiramente, a lei foi derrubada ainda em 2011 pois foi julgada inconstitucional por inúmeros fatores.
    O que existe é um ACORDO e não uma lei, na qual alguns supermercados passarão a vender as sacolas.

    Sou contra a medida de proibir a distribuição gratuita de sacolas em supermercados e varejos em geral.
    O Papa Paulo VI disse que “o mundo vai mal porque quer dar soluções fáceis para problemas difíceis”. Isto é, não se cura câncer com novalgina.
    Sempre achei incompreensível eliminar as sacolas plásticas: um produto bom, barato, 100% reciclável, e em si mesmo nada tóxico e poluente. Seu mau uso sim pode ser poluente, mas isso é problema de Educação e não de meio ambiente.
    Então, o que se deve fazer? Qual a solução correta? EDUCAR O POVO e não retirar a sacola útil, pratica, barata e confortável. Se for para proibir tudo que o povo não sabe usar corretamente, vamos ter de proibir a fabricação de motos, carros, revólveres, cerveja, vinho, remédios… e também todos os sacos plásticos além da sacola.
    Não conheço um só país que proíbe a sacola. Mas em todos eles a educação é boa. Sacola no chão é multa na hora em alguns países.Há um provérbio chinês que diz: “Se queres colher por um ano semeia o
    grão; por dez anos, planta a árvore; por cem anos, educa o povo”. Quando o povo e o nosso governo vão aprender essa lição? Não nos deixemos enganar por soluções “fáceis, cômodas, baratas, e inócuas”; pois, entre elas está a eutanásia, o divórcio, e tantas falsidades e imoralidades…
    Uma ultima observação: Aquela sacola plástica na boca da tartaruga não está lá porque é uma sacola plástica. Está lá porque alguém a jogou no mar ou em um local inadequado que acabou indo para o mar.
    Sacolas e qualquer outro tipo de lixo devem ter tratamento adequado e isso dá trabalho, não gera votos e custa alguma coisa em termos de infraestrutura, educação e consciência.

    ResponderExcluir